Dentro do Projeto Memória Ferroviária, uma palestra sobre patrimônio ferroviário. Grátis, o evento será na Estação Brás da CPTM, nesta sexta, 5 de maio, à noite

Resultado da parceria da CPTM com a Unesp, o Projeto Memória Ferroviária trará todo mês palestra de um especialista sobre o tema. A iniciativa celebra os 25 anos da CPTM e os 150 anos da São Paulo Railway Company (SPR), primeira ferrovia de São Paulo. Esta matéria foi publicada originalmente pela CPTM

O Projeto Memória Ferroviária promoverá palestra com o professor da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) Dr. Ivanil Nunes, na Estação Brás da CPTM, no dia 5 de maio, das 19h às 21h. Em sua apresentação, o especialista descreverá o contexto histórico das ferrovias paulistas até a fundação da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.

Ivanil Nunes é professor universitário do curso de Economia da UNIFESP e do curso de Pedagogia, da Faculdade Campos Elíseos, pós-doutorado pelo departamento de Economia USP (2016-2017) e pós-Doutor pela Universidade de São Paulo e Universidade de Buenos Aires, na Argentina.

Resultado da parceria da CPTM com a UNESP, o Projeto Memória Ferroviária trará todo mês palestra de um especialista sobre o tema. A iniciativa celebra os 25 anos da CPTM e os 150 anos da São Paulo Railway Company (SPR), primeira ferrovia de São Paulo

O ciclo de palestras é aberto aos empregados da CPTM e ao público. Para participar, é preciso se inscrever pelo e-mail marketing@cptm.sp.gov.br.

A primeira ferrovia.  A São Paulo Railway Company (SPR) foi construída em São Paulo e sua inauguração aconteceu em 1867. Com 159 km, ligava os municípios de Santos e Jundiaí, tendo como ponto de passagem a cidade de São Paulo. A linha férrea cruzava cidades como Cubatão, Paranapiacaba, Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Mauá, Santo André e São Caetano do Sul até chegar à capital paulista.

Em 28 de maio de 1992, coube a CPTM administrar os trechos Luz – Jundiaí, pela Linha 7-Rubi (antiga Linha A), e Brás – Rio Grande da Serra, pela Linha 10-Turquesa (antiga Linha D). As duas linhas também são utilizadas pelo Expresso Turístico que oferece viagens para Jundiaí e Paranapiacaba. A operação entre Rio Grande da Serra e o Porto de Santos é realizada atualmente pela MRS, que obteve a concessão para a circulação dos trens de carga.

Deixe um comentário